EVANGELIZAÇÃO

topo_c1Vivemos uma época caracterizada por descobertas científicas constantes e esclarecedoras. Especialistas trabalham no sentido de transformar as conclusões da pesquisa científica em tecnologia. Toda a sociedade recebe os reflexos desse avanço, seja na forma de maior controle – pelo homem – sobre a matéria-prima, natureza ou sociedade, ou na forma bastante alarmante da destruição e poluição dessa natureza e sociedade pelo homem. A utilização da tecnologia científica acelera o desenvolvimento da sociedade humana. Mudanças, às vezes radicais, passam a intervir no conjunto da vida social, provocando modificações em nosso comportamento de trabalho, introduzindo novos elementos de raciocínio, questionando os valores físicos e morais até então vigentes. A situação social, fruto das transformações aceleradas, nos atinge a todos: crianças, jovens, velhos, sob condições e intensidades diferentes, mas gerando em todos insegurança. Tais mudanças e desequilíbrios nos obrigam a assumir novas tarefas e responsabilidades. O Movimento Espírita, não podendo ficar indiferente a essa situação, lança-se à educação das novas gerações, fundamentando, como sempre o fez, sua tarefa educativa nos aspectos filosóficos, científicos e religiosos do Espíritismo, procurando, nesse momento de grande transição, dinamizá-la de maneira mais efetiva. O Espiritismo, atuando sobre os indivíduos, atingirá as massas.

“Entre as leis divinas, umas regulam o movimento e as relações da matéria bruta: as leis físicas, cujo estudo pertence ao domínio da Ciência. As outras dizem respeito especialmente ao homem considerando em si mesmo a nas suas relações com Deus e com seus semelhantes. Contêm as regras da vida do corpo, bem como as da vida da alma: são as leis morais”.

“O Livro dos Espíritos”, Allan kardec, questão 617 – cometários

Com base nas considerações acima, ficam estabelecidos como objetivos gerais da evangelização:

a) – provomer a integração do evangelizando:

– consigo mesmo,

– com o próximo,

– com Deus.

b) – proporcionar ao evangelizando o conhecimento:

– da lei natural que rege o Universo,

– da “natureza, origem e destino dos Espíritos, bem como de suas relações com o mundo corporal”.

Ao término do período da evangelização, o evangelizando deverá evidenciar comportamento espírita, vivenciando os princípios evangélico-doutrinários que constituem a base do Espiritismo através de:

a) Interesse contínuo pelo estudo e pela renovação dentro das diretrizes evangélico-doutrinárias;

b) Atitude cristã para com o próximo e a vida;

c) Interesse contínuo pela evolução espiritual;

d) Participação efetiva nas atividades da Sociedade Espírita;

e) Atuação construtiva no movimento federativo;

f) Interesse pela causa da Unificação;

g) Participação efetiva no cumprimento da missão espiritual do Brasil perante o mundo.